Greve de vigilantes faz agências bancárias suspenderem atendimentos em Morro do Chapéu

Greve de vigilantes faz agências bancárias suspenderem atendimentos em Morro do Chapéu

As agências bancárias da cidade de Morro do Chapéu,não estão funcionando desde quarta-feira 24 . Os vigilantes das instituições financeiras aderiram à paralisação estadual da categoria.

O Sindicato dos Bancários de Irecê e Região segue acompanhando a situação para garantir que não haja funcionamento das unidades bancárias, respeitando a Lei 7.102/83, que proíbe o funcionamento dos Bancos sem a presença dos seguranças.

“Apoiamos incondicionalmente o legítimo movimento paredista dessa categoria tão importante para o País. As propostas apresentadas pelos patrões é simplesmente vergonhosa e digna de repúdio. Vamos acompanhar de perto a mobilização, afinal a paralisação implica no impedimento da abertura das agências bancárias e deixa muito expostos os trabalhadores que acabam tendo que fazer o trabalho interno nessas unidades”, aponta Carlos Alberto Bezerra, presidente do Sindicato dos Bancários de Irecê e Região.

O Sindicato e a Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe apoiam a greve da categoria, que luta pela manutenção dos seus direitos e conquistas, e orienta que as agências bancárias, por motivo de segurança, não devem funcionar.

No Estado

Os vigilantes do estado da Bahia estão em greve desde ontem (24). A paralisação atinge os empregados de empresas de segurança e vigilância, que atuam em bancos, shoppings, hospitais, escolas, indústrias, condomínios e outros setores. O objetivo é pressionar os patrões a atenderem a pauta de reivindicações da categoria.

“Devido a vários calotes, inseguranças, excesso de horas de trabalho e tantos outros problemas, estamos lutando por: cesta básica, plano de saúde, cota para as mulheres, além do reajusto digno salarial”, esclarece o presidente do Sindivigilantes – BA, José Boaventura. As empresas propõem reajuste salarial de 1% e a flexibilização da jornada 12×36 dentre outras propostas que contrariam as conquistas já garantidas pela categoria.

Cerca de 32 mil vigilantes que atuam na Bahia, com data-base em 1º de maio, reivindicam reajuste de 15%, tíquete-refeição de R$20, cotas para as mulheres de 30% (por posto de trabalho) e piso salarial de R$ 1.500,00.informações  Sindicato dos Bancários de Irecê e Região

Deixe Seu Comentário