Adab vai implantar primeira biofábrica de controle biológico da Bahia

Adab vai implantar primeira biofábrica de controle biológico da Bahia

Mais uma conquista para fortalecimento da defesa agropecuária. Após diversas reuniões, a equipe de modernização da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), vinculada à Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura do Estado (Seagri), conseguiu alocar recursos para a implementação de uma biofábrica de controle biológico na Bahia e a primeira dentro da estrutura de um órgão de defesa no Brasil.

Os valores foram garantidos pelo secretário estadual da Fazenda, Manoel Vitório, em reunião realizada com o diretor-geral da agência, Paulo Cezar, e o titular da Seagri. Vitor Bonfim. Serão investidos cerca de R$ 350 mil na fábrica que funcionará no laboratório do Centro Tecnológico Agropecuário do Estado da Bahia (Cetab), no edifício anexo à sede da Adab, no bairro de Ondina, em Salvador.

O projeto elaborado por técnicos da Adab, intitulado ‘Tecnologias e inovação para o estabelecimento de biofábrica, tem o propósito de controle biológico da Mosca Negra dos citros na Bahia. A unidade irá atender todo o estado em busca do manejo e controle de pragas. “Essa é mais uma conquista de todos nós. Gostaria de agradecer ao governador Rui Costa por investir esses recursos para uma demanda de altíssima importância, que é o controle fitossanitário dos Citrus, e a toda a equipe técnica que realizou o projeto, ressaltou Paulo Cezar.

A previsão é que obras comecem já no inicio de março próximo. A biofábrica de controle biológico tem por objetivo criar insetos que se constituem dos inimigos naturais da mosca negra (Aleurocanthus woglumi). É uma tecnologia limpa, que não utiliza agrotóxicos, o que reduz os impactos ambientais. Para o inicio da criação dos insetos, será necessário toda uma infraestrutra, desde aporte laboratorial até casas de vegetação. Além, da prospecção desses agentes de biocontrole nos palmares.

Segundo Vitor Bonfim “esse é um dos passos importantes para o estado ter o controle fitossanitário da Mosca Negra”. Já a coordenadora do projeto fitossanitário do Citrus, Suely Brito afirma que “é uma conquista muito importante. A praga que foi detectada em 2010 se expandiu por todo território baiano e tem induzido severos prejuízos a citricultura do recôncavo e litoral norte da Bahia. Já estamos trabalhando nesse projeto há três anos, e, agora, vamos conseguir colocar em prática. A nossa proposta é produzir inimigos naturais da praga para serem soltos nos pomares, beneficiando, principalmente, a agricultura familiar. Haja vista que não existe nenhum outro tipo de controle para essa praga”.

Fonte:(Adab)

Deixe Seu Comentário